Skip navigation

Lea T, estrela da campanha Givenchy e capa da 5a. edição da LOVE.

Você já pode ter ouvido falar da LOVE no post Fashion Blogging X Fashion Press, onde o LIfe+Style comenta sobre comunicação em moda.

Pouco preocupada com uma abordagem estritamente comercial, a publicação é considerada hoje uma das bíblias em comportamento de moda. Criada e editada por Katie Grand, uma das stylists mais respeitadas do mundo, a LOVE é conhecida por sua linha conceitual, conteúdo obrigatório para estilistas, designers e forecasters. Não espere um show de celebridades ou manequins nas passarelas. Sua abordagem editorial fala de tendência de comportamento.

Sua 5a. edição apresenta  a Androgeny Issue . Capa estampando a transex  brasileira Lea T, editoriais lembrando ensaios de arte e conteúdos exalando questionamentos,  desafiam a visão ortodoxa da mídia de moda.

Androgenia – uma das palavras chave do inverno 2012 –  marca  fronteiras cada vez menos marcantes entre os gêneros.

O modelo Andrej Pejic, estrela da grife californiana Rodarte.

Um dos pontos que suscita a reflexão é constatar que em MODA, mais importante do que o sexo de quem usa um vestido, o que de fato conta é a harmonia da roupa com o INDIVÍDUO que a veste…
Curadora de exposições de moda para designers como Marc Jacobs, Katie edita a revista com o olhar de expert sem preconceito, sinalizando direções para o leitor interessado em novas possibilidades.

Transcrevo abaixo a ‘Editor’s Letter‘, leitura que preencheu com humor e reflexão parte das 12 horas de meu vôo Londres-Rio.

Aproveite!

‘É moda e não biologia a principal preocupação quando embarcamos nesta 5a. edição da LOVE.  Glamour, flamboyance, decadência; cabelo, roupas, make-up… Exagero e toda essa onda de excessos criam um crescendo de artifícialidade, com a força para hipnotiza o olhar do obsevador muito mais do que o gênero a que o modelo pertence. Como Marc Jacobs sinalizou, apresentando modelos andróginos na sua coleção de verão para a Louis Vuitton, mostrar  humor e ironia pode ser muito mais interessante do que julgamento sexual…Em parte, a onda de androgenia é reação `a última temporada de moda ( e `a 4a. edição da revista), recheadas de formas femininas e arredondadas…Algumas pessoas viram alí o retorno da mulher ‘real’, ‘natural’. Nós aqui da redação, podemos afirmar no entanto, que os editorias das mulheres ‘reais’ demandaram tanta atenção dos maquiadores quanto os looks das ‘garotas masculinas’ ou ‘garotos femininos’ que estampam nossa 5a. edição.

Editorial da Paul Smith na LOVE.

Alguns dos modelos apresentados nesta edição são transsexuais. Nós os incluímos porque eles são lindos – na verdade é tudo o que precisamos dizer sobre o assunto. O que pessoas fazem com o que tem dentro de suas calças pode ser interessante, mas bem menos, nós acreditamos, do que a mensagem de estilo … Você pode tirar suas próprias conclusões quando uma modelo abertamente transsex é escolhida para estampar a campanha de uma das grifes mais respeitadas do mundo. Ricardo Tisci, estilista da Givenchy, se incomoda com o fato de pessoas ainda serem colocadas em caixas rotuladas: ‘negros pertencem aqui, gays alí, transsex acolá’…  Um conceito muito estreito para quem trabalha e vive com a gama de possibilidades e vastidão de comportamento humano que é a MODA. Nos esforçamos para evitar rótulos nesta edição. Todos os editoriais apresentam PESSOAS, que simplesmente se relacionam com a questão de gênero de forma  pouco convencional. Se é verdade que a maioria de nós adora brincar com a maneira com que nos vestimos, lembramos de Oscar Wilde quando dizia, ‘Se você não pode ser uma obra de arte, vista uma obra de arte’. O assunto aqui é sobre MODA, não sobre corpos. E como Lionel Vermeil sabiamente observou, ‘Roupas não tem sexo’.  Simples assim.

KATIE GRAND, 10 de Janeiro de 2011.

________________________________________________________________________________

Advertisements

5 Comments

  1. Excelente Post. Acredito que a entrada dos transexuais no mundo da moda seja um capítulo à parte que mereça mais disucssão, visto tratar-se de um assunto polêmico que tem gerado grande repercussão na mídia e ajuda a alterar a percepção das pessoas sobre este transtorno de personalidade, ao mesmo tempo em que abre um novo mercado de trabalho para uma população que se submete a sub empregos, devido ao preconceito e homofobia.

    • Olá Fernando!

      Que legal que o comentário tão lúcido. Também concordo que a revista e a matéria sirvam para abrir novos caminhos de auto-expressão e mercado de trabalho!
      Obrigado pela colaboração.
      Abraço,
      Marcelo

  2. A capa está linda! Marcelo, você sabe se esta revista é vendida no Brasil? Fiquei curiosa para ler, especialmente este edição.

    • Oi Érica!

      Legal q gostou.. não sei se a revista é vendida no Brasil,,, (se alguém souber, agradeço se puder nos informar aqui no Blog). Se não encontrar, posso emprestar a edição que eu trouxe de Londres.
      Beijos,
      Marcelo

  3. Aos “tweetmaníacos” de plantão (guilty!): o twitter da Love Magazine é: @THELOVEMAGAZINE
    Já estou seguindo. Muito bom!


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: